Agronegócio

Por que os alimentos orgânicos tem atraído os consumidores brasileiros?

A agricultura orgânica tem atraído os consumidores brasileiros: até 36% deles estão mais dispostos a pagar mais caro por alimentos orgânicos. É o que mostra o estudo “Perfil do Consumidor Consciente”, publicado em 2020 pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Mas, de onde vem essa motivação?  A resposta pode estar na crescente busca por uma alimentação mais saudável e nutritiva. 

A cadeia de produção dos alimentos orgânicos

Os alimentos orgânicos são aqueles obtidos em uma cadeia produtiva agropecuária e industrial que dispensa o uso de insumos como pesticidas sintéticos, fertilizantes químicos, medicamentos veterinários, organismos geneticamente modificados, conservantes, aditivos e irradiação da produção a comercialização. 

Segundo o Art. 1o, da Lei 10.831/03, esse sistema de produção orgânico tem por objetivo: 

  • Sustentabilidade econômica e ecológica; 
  • Maximização dos benefícios sociais; 
  • Minimização da dependência de energia não-renovável. 

Nos Estados Unidos, a agricultura orgânica era muito praticada até antes da Segunda Guerra Mundial. Após isso, muitos produtores abriram mão da produção orgânica em favor de produzir em grande escala. 

Já no Brasil, o fortalecimento da agricultura orgânica surgiu com a regularização da cadeia produtiva a partir de 1999 pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). 

Apesar do começo mais tardio, esse sistema de produção esteve em constante crescimento no país e chegou a movimentar 5,8 bilhões de reais em 2020, segundo o Diretor da Associação de Promoção dos Orgânicos (Organis). 

Porém, há muito mais a ser analisado do que a mudança do método de produção e o potencial econômico da agricultura orgânica. Estudos ao longo do século XX tentaram responder se o tipo de produção, orgânica ou com fertilizantes químicos, afeta o conteúdo nutricional dos alimentos. 

Esse questionamento surgiu em busca de alternativas para favorecer ainda mais a expectativa de vida das populações. Com os diversos avanços tecnológicos obtidos ao longo das décadas, diversas evidências científicas começaram a correlacionar a alimentação com a boa saúde. 

De acordo com Saraspathy Naidoo Terroso Gama de Mendonça, autora do livro técnico Nutrição, são os alimentos que fornecem todos as substâncias necessárias para a manutenção da vida e o crescente consumo dos industrializados vem elevando o nível de gordura e o desenvolvimento de doenças prejudiciais à saúde. 

Diante disso, como os produtos orgânicos podem ser uma solução para uma alimentação mais saudável e nutritiva? 

A qualidade nutricional dos alimentos orgânicos  

Para avaliar e contabilizar a qualidade nutricional dos alimentos orgânicos, diversos estudos foram sendo realizados ao longo das décadas acerca do tema. Dentre eles, destaca-se os resultados publicados na revista norte-americana Journal of Alternative and Complementary Medicine. 

Na revista, encontram-se os resultados do artigo Nutritional Quality of Organic Versus Conventional Fruits, Vegetables, escrito pela pesquisadora Virginia Worthington . Ela, ao longo de vários anos, analisou 41 estudos e comparou os nutrientes disponíveis nos alimentos cultivados organicamente e nos cultivados de maneira tradicional, estando entre eles: 

  • Cálcio; 
  • Magnésio; 
  • Potássio; 
  • Sódio; 
  • Zinco; 
  • Cobre; 
  • Manganês; 
  • Ferro; 
  • Fósforo; 
  • Vitamina C; 
  • Betacaroteno; 
  • Nitratos.

Os resultados evidenciaram que em mais da metade dos nutrientes avaliados, as culturas orgânicas apresentaram maiores valores e níveis menores de nitrato (composto tóxico), quando comparadas as culturas tradicionais. 

Além disso, os teores de vitamina C, ferro, magnésio e fósforo foram mais significativos para as culturas orgânicas. A quantidade de vitamina C em frutas e vegetais orgânicos, por exemplo, pode ser até 27% maior do que em frutas e vegetais convencionais.  

Os valores nutricionais positivos da agricultura orgânica, encontrados em estudos como os da pesquisadora Virginia Worthington,  podem estar diretamente relacionados à forma de cultivo.  

O cuidado com o solo, através do uso de rotação de culturas, implementação de culturas de cobertura, adubação verde e a adição de compostos orgânicos são fatores que influenciam diretamente na preservação da matéria orgânica e mantêm o solo nutrido para as plantas. 

No entanto, os fatores que sustentam um sistema de produção orgânico elevam o preço para o consumidor final, dificultando o acesso para muitas famílias. Publicado na revista Pesquisa e Tecnologia, o artigo Orgânicos são caros. Por quê?, do Dr. Sebastião Wilson Tivelli,[RS1] [EB2]  destaca os principais fatores para os elevados preços dos alimentos orgânicos no mercado, como sendo: 

  • Necessidade de certificação; 
  • Período de conversão do sistema de produção; 
  • Barreiras de isolamento para vizinhos não orgânicos; 
  • Maior demanda de mão de obra; 
  • Menor produtividade e a escala de produção; 
  • Baixa oferta no mercado; 
  • Assistência técnica deficiente ou inexistente. 

Mesmo com esses desafios para o agricultor, os consumidores brasileiros tem se mostrado cada vez mais dispostos a investir mais nos produtos orgânicos. Segundo o estudo do “Perfil do Consumidor Consciente”, publicado em 2020 pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), os brasileiros estão se mostrando mais dispostos a pagar mais caro por alimentos orgânicos. 

tab-organico-verde

A disposição dos brasileiros dispostos a pagar mais por produtos orgânicos varia de acordo com a renda das famílias. (Fonte: CNI) 

Com isso, cada vez mais agricultores estão se sentindo motivados a começar um sistema de produção orgânica. Mas por onde começar? 

Os requisitos para começar a produzir produtos orgânicos no Brasil 

Para que um agricultor comercialize seus produtos no Brasil como “orgânico”, a produção deve ser regularizada obtendo-se uma certificação por um Organismo da Avaliação da Conformidade Orgânica (OAC) credenciado no MAPA ou ainda realizar a venda indireta sem certificação cadastrando-se junto ao MAPA. 

Além disso, o sucesso da transição do sistema de produção convencional para orgânico depende de um bom Plano de Manejo Orgânico (PMO) e a prospecção de insumos eficientes e aprovado para a agricultura orgânica, como é o caso dos fertilizantes multinutrientes da Verde produzidos a partir do Siltito Glauconítico. 

Assim, o agricultor pode dar seus primeiros passos em direção a uma produção mais sustentável de alimentos orgânicos que contribuem para a saúde das pessoas e do Planeta. 

Deixe um comentário