Agronegócio

Saiba quais analises que a faculdade FAIT faz em seu laboratório

A FAIT tem a mais nova tecnologia de analise de solo disponível para os agricultores de toda região. 

ANÁLISE QUÍMICA E DOS SOLOS
A análise química de solo é uma das analises mais utilizadas na agricultura, é a ferramenta que produtores, técnicos e pesquisadores possuem para avaliar a disponibilidade de nutrientes para as plantas, sendo assim, tem por finalidade otimizar  o uso de corretivos e fertilizantes, aumentar o retorno econômico dos investientos nos insumos, bem como preservar a qualidade ambiental adotando boas práticas de manejo.

O primeiro passo para a análise de solos é a amostragem. Erros neste procedimento podem acarretar em prejuízo a ao agricultor, boa parte dos erros nos  resultados das análises decorrem da coleta inadequada.
A coleta pode ser feita em qualquer época do ano, mas o ideal é que as amostras sejam retiradas no mínimo 60 dias antes da adubação, ou também pode ser feita no início da estação seca, no caso de culturas anuais, e logo após a colheita, para culturas perenes.

ANÁLISE FÍSICA DOS SOLOS

A Análise Granulométrica do solo (Análise Física) quantifica as frações minerais primários (Argila, Silte e Areias) que compõem o solo. A partir dela, é possível classificar o solo, identificando as diferenças em cada área de sua propriedade, o  que permite proporcionar melhores resultados na agricultura assim como apresentar os atributos necessários para subsidiar o manejo de uso e ocupação das terras, visando produções mais sustentáveis e melhor desenvolvimento em plano de recuperação de áreas degradadas.

ANÁLISE BIOLÓGICAS DOS SOLOS
ANÁLISES BACTERIANAS DOS SOLOS

As bactérias exercem importante função na decomposição da matéria orgânica, na ciclagem de nutrientes, na fixação biológica de nitrogênio (simbiótica e assimbiótica, na agregação do solo), e no desenvolvimento de doenças, como também são indicadoras de qualidade do solo.

Devido à sua resistência a condições ambientais adversas, as bactérias esporuladas do solo apresentam grande potencial, juntamente com os demais parâmetros microbiológicos, para avaliar os impactos resultantes de ações antrópicas das mais diversas naturezas, desde uma simples adubação ou perda do horizonte do solo até o derramamento de produtos químicos.

ANÁLISES FUNGICAS DOS SOLOS

As principais funções dos fungos no solo são atividade quimio-heterotrófica sobre os restos vegetais, formação de relações simbióticas mutualísticas (micorrizas) e parasíticas (doenças) na maioria das plantas e produção de antibióticos. São ainda agentes de controle biológico de fungos fitopatogênicos e nematoides fitoparasitas, como também, indicadores de qualidade do solo.

ANÁLISE DE NEMATOIDES PARASITAS DE PLANTAS

Nematoides fitoparasitas (ou fitonematoides) são vermes microscópicos que habitam o solo e atacam as plantas (geralmente as raízes ou outros órgãos subterrâneos), causando sérios danos às culturas agrícolas e acarretando prejuízos econômicos ao produtor rural. Pode- se afirmar que não há uma espécie de planta, cultivada ou não, que não seja hospedeira de uma ou mais espécies de fitonematoides. Entre os nematoides de maior importância agrícola, podem ser citados: Meloidogyne spp. (nematoide das galhas), Pratylenchus spp. (nematoide das lesões radiculares), Heterodera glycines (nematoide dos cistos da soja), Rotylenchulus reniformis (nematoide reniforme), Radopholus similis (nematoide cavernícola), Tylenchulus semipenetrans (nematoide dos citros), entre outros.

BIOANÁLISE DO SOLO (EMBRAPA)

O ativo BioAS é uma tecnologia que agrega o componente biológico às análises de rotina de solos. Consiste na análise das enzimas arilsulfatase e beta-glicosidase, associadas aos ciclos do enxofre e do carbono, respectivamente. Por estarem relacionadas, direta ou indiretamente, ao potencial produtivo e à sustentabilidade do uso do solo, essas enzimas funcionam como bioindicadores e ajudam a avaliar a saúde dos solos. 
A tecnologia BioAS também envolve o cálculo de Índices de Qualidade de Solo (IQS), calculados com base nas propriedades químicas e biológicas em conjunto (IQSFertbio ) e separadamente (IQSBio e IQSQuim). Trata-se de uma inovação que está alinhada ao objetivo de viabilizar tecnologias que promovam a sustentabilidade das atividades agrícolas com o equilíbrio ambiental. Até recentemente, a presença de bioindicadores que ajudassem a avaliar a saúde dos solos ainda não fazia parte das rotinas de análises de solo. Essa ausência do componente biológico nas análises de rotina ocorria não só no Brasil, mas na maioria dos países do mundo. 

Nos últimos 20 anos o grupo de pesquisa com Bioindicadores de Qualidade de Solo, da Embrapa, tem se dedicado à seleção de bioindicadores robustos, que permitam que o agricultor brasileiro possa monitorar a “saúde” de seu solo, sabendo exatamente o que avaliar, o porquê avaliar, como avaliar, quando avaliar e principalmente, como interpretar o que foi avaliado. A grande vantagem da BioAS é que as enzimas são mais sensíveis que indicadores químicos e físicos, detectando com maior antecedência alterações que ocorrem na saúde do solo, em função do seu uso e manejo.
 As duas enzimas selecionadas são altamente correlacionadas com o rendimento de grãos e com a matéria orgânica do solo. A lista de vantagens também inclui: precisão, coerência, baixa variabilidade temporal, sensibilidade, simples determinação analítica, estão ligados à ciclagem da matéria orgânica do solo, não são influenciadas pela aplicação de adubos e envolvem o uso de reagentes de baixo custo relativo e fora da lista de controle do Exército. 

Também se adequam aos aspectos relacionados à amostragem de solo após a colheita das culturas e aos mesmos procedimentos adotados no pré-tratamento das amostras de solo para as análises de fertilidade química (podem ser secas ao ar e peneiradas em peneira de malha 2 mm). Seu uso como parte das rotinas de análise de solo também favorecerá a inserção do país na bioeconomia, fornecendo métricas para atestar que o crescimento agrícola com sustentabilidade é, de fato, uma grande oportunidade para o nosso país. A principal aplicação do ativo é a agregação nas análises de rotina de solo de parâmetros que verificam o nível de atividade biológica do solo, para auxiliar na tomada de importantes decisões sobre o manejo da propriedade agrícola.

ANÁLISE TECIDO VEGETAL

A diagnose nutricional, através da análise de tecidos vegetais (foliar), tem se mostrado um guia útil para o manejo dos nutrientes. A partir da análise química foliar podemos identificar se a planta apresenta ou não problemas nutricionais, para que o produtor ado tome medidas para correção. Em conjunto com a de solos, é um dos métodos mais utilizados para avaliar o teor de nutrientes no tecido vegetal, identificando possíveis deficiências e toxidez de nutrientes e auxiliar no conhecimento do estado nutricional     da cultura.

ANÁLISE QUÍMICA DA ÁGUA

È de suma importância analisar a qualidade da água utilizada na irrigação, os principais relatos de problemas mais relacionados à qualidade da água para irrigação estavam ligados à salinidade. Problemas com ferro, manganês e outros sólidos em suspensão tinham pouca relevância.

O avanço na utilização de irrigação localizada (microaspersão e gotejamento) tem provocado uma mudança neste cenário, já que os íons de ferro e manganês e altas concentrações de sólidos solúveis podem entupir tubulações, provocando a redução da área de condução da água, aumento da perda de carga e pressão no sistema e consequente redução na vazão dos emissores, o que pode inviabilizar o sistema de irrigação com um todo. Tanto as águas subterrâneas como as superficiais podem conter impurezas que indisponibilizam o seu uso para irrigação.

Esses elementos podem estar em suspensão (sólidos suspensos como areia, silte, argila e matéria orgânica) ou dissolvidos (como sais diversos, metais pesados, resíduos de agroquímicos e fertilizantes). Esses elementos levam ao entupimento de emissores, desgaste de bombas e mangueiras, e até depósitos de argila no produto colhido.
Outro parte importante de uma análise de água para irrigação diz respeito a salinização e sodicidade. A salinização é a presença de sais na água, quando a condutividade elétrica é maior que 0,75ds/m já há risco de salinidade. A sodicidade (alta concentração de sódio) pode levar a formação de crostas, saturação temporária da superfície, elevação do pH, baixa condutividade hidráulica, falta de oxigênio para respiração radicular e aumento de doenças e plantas daninhas. Esses dois fenômenos levam a quedas na produtividade e formação de solos degradados. O Nitrogênio pode provocar o crescimento exagerado de algas, levando a problemas no sistema de irrigação, assim como a presença de ferro e manganês solúveis que levam a formação de placas e entupimento dos sistemas.

ANÁLISES DE CORRETIVOS AGRÍCOLAS E FERTILIZANTES

Os fertilizantes e corretivos (cálcario) são utilizados em grandes quantidades na agricultura brasileira e cada vez mais novos produtos e marcas aparecem no mercado, oferecendo soluções para uma melhor nutrição para cada cultura.
Desta forma, é importante fazer uma análise dos fertilizantes adquiridos, não só para realmente saber se o teor dos nutrientes está de acordo com as garantias, mas também para averiguar a qualidade da matéria prima e a fabricação dos mesmos. Contudo, para que esta checagem seja correta, é preciso seguir critérios de amostragem dos fertilizantes (coleta feita com quartedor de amostra), assim como na análise de solos, uma amostragem mal feita acarreta em resultados análiticos imprecisos, devido a fotodegradação dos nutrientes, ocorridas pelas más condições de armazenamento. A a metodologia de análise e coleta são normatizados pelo MAPA – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

PARA SABER MAIS SOBRE AS ANÁLISES ENTRE EM CONTATO COM O LABORATÓRIO DE ANÁLISES AGRONÔMICAS –FAIT.
OFERECEMOS SERVIÇOS DE COLETA SEM CUSTOS (CONSULTAR O LABORATÓRIO). 

Deixe um comentário